Livro
Livro
AUTOAJUDA

Garota, pare de mentir pra você mesma

Garota, pare de mentir pra você mesma

RACHEL HOLLIS

Pare de acreditar nas mentiras sobre quem você é e torne-se a pessoa que deseja ser.

Pare de acreditar nas mentiras sobre quem você é e torne-se a pessoa que deseja ser.

Você acredita que não é boa o suficiente?
Que não é digna de ser amada?
Que nunca chegará a lugar nenhum?
Tudo mentira.

“Rachel Hollis é a mentora de que toda mulher precisa, das mães de primeira viagem às executivas experientes.” — ANNA TODD, autora da série After                                     

 “Este livro é sobre um monte de mentiras nocivas e uma verdade importante. A verdade? Você, somente você, é responsável por quem se tornará e pelo quanto é feliz. Essa é a lição.

É preciso identificar – e destruir sistematicamente – cada mentira que contou a si mesma a vida inteira. Por quê? Porque é impossível ir a um lugar novo, ou tornar-se algo diferente, sem primeiro identificar onde você está. Você já acreditou que não era boa o suficiente? Que não era magra o suficiente? Que não era digna de ser amada? Que era péssima mãe? Já achou que merecia ser maltratada? Que nunca chegaria a lugar nenhum?

Essas mentiras são perigosas. O mais assustador é que raramente as ouvimos, porque elas ecoam em nossos ouvidos tão alto e por tanto tempo que se tornam uma espécie de ruído branco. Mas se formos capazes de identificar a principal razão de nossas dificuldades, e ao mesmo tempo entender que temos condições de superá-las, poderemos mudar totalmente nossa trajetória.

Portanto, pare de se maltratar e não deixe que os outros a maltratem. Pare de se menosprezar. Pare de comprar coisas que não tem como pagar só para impressionar pessoas de quem nem gosta. Pare de reprimir seus sentimentos em vez de refletir sobre eles. Pare de comprar o amor de seus filhos com comida, brinquedos ou camaradagem porque é mais fácil do que agir como mãe. Pare de abusar do seu corpo e da sua mente.  Simplesmente pare!”

 

Você acredita que não é boa o suficiente?
Que não é digna de ser amada?
Que nunca chegará a lugar nenhum?
Tudo mentira.

“Rachel Hollis é a mentora de que toda mulher precisa, das mães de primeira viagem às executivas experientes.” — ANNA TODD, autora da série After                                     

 “Este livro é sobre um monte de mentiras nocivas e uma verdade importante. A verdade? Você, somente você, é responsável por quem se tornará e pelo quanto é feliz. Essa é a lição.

É preciso identificar – e destruir sistematicamente – cada mentira que contou a si mesma a vida inteira. Por quê? Porque é impossível ir a um lugar novo, ou tornar-se algo diferente, sem primeiro identificar onde você está. Você já acreditou que não era boa o suficiente? Que não era magra o suficiente? Que não era digna de ser amada? Que era péssima mãe? Já achou que merecia ser maltratada? Que nunca chegaria a lugar nenhum?

Essas mentiras são perigosas. O mais assustador é que raramente as ouvimos, porque elas ecoam em nossos ouvidos tão alto e por tanto tempo que se tornam uma espécie de ruído branco. Mas se formos capazes de identificar a principal razão de nossas dificuldades, e ao mesmo tempo entender que temos condições de superá-las, poderemos mudar totalmente nossa trajetória.

Portanto, pare de se maltratar e não deixe que os outros a maltratem. Pare de se menosprezar. Pare de comprar coisas que não tem como pagar só para impressionar pessoas de quem nem gosta. Pare de reprimir seus sentimentos em vez de refletir sobre eles. Pare de comprar o amor de seus filhos com comida, brinquedos ou camaradagem porque é mais fácil do que agir como mãe. Pare de abusar do seu corpo e da sua mente.  Simplesmente pare!”

 

Compre agora:

Ficha técnica
Lançamento 03/06/2019
Título original Girl, wash your face
Tradução Débora Chaves
Formato 14 x 21 x 1,5 cm
Número de páginas 240
Peso 350g
Acabamento Brochura
ISBN 9788543107387
EAN 9788543107387
Preço R$ 34,90
Ficha técnica e-book
eISBN 9788543107394
Preço R$ 19,99
Lançamento 03/06/2019
Título original Girl, wash your face
Tradução Débora Chaves
Formato 14 x 21 x 1,5 cm
Número de páginas 240
Peso 350g
Acabamento Brochura
ISBN 9788543107387
EAN 9788543107387
Preço R$ 34,90

E-book

eISBN 9788543107394
Preço R$ 19,99

Leia um trecho do livro

INTRODUÇÃO

Ei, garota!

Esta é a apresentação do livro, a parte em que confesso todas
as
minhas expectativas em relação à sua leitura. Este é o momento em que descrevo minhas intenções e – se você já estiver pronta para ler – é aí que revelo um pouco mais sobre o que virá. Também é um texto importante para quem está na livraria tentando decidir se deve comprar este livro ou algo como A mágica da arrumação, e as palavras que está lendo agora vão ajudar a decidir. Bem, parece muita expectativa para uma mera apresentação, mas aqui vamos nós.

Este livro é sobre um monte de mentiras nocivas e uma verdade importante.

A verdade? Você, somente você, é responsável por quem se tornará e pelo quanto é feliz. Essa é a lição.

Não me entenda mal. Vou contar centenas de histórias engraçadas, estranhas, constrangedoras, tristes ou malucas, mas cada uma delas busca esta mesma verdade importante e digna de ser publicada no Pinterest: sua vida é responsabilidade sua.

No entanto, essa verdade nunca será plausível se você não entender primeiro as mentiras que estão no seu caminho. É muito importante compreender que você escolhe sua própria felicidade e que tem controle sobre sua vida. Essa é uma daquelas frases que colocamos no quadro de avisos como um lembrete… mas não é a única coisa que você precisa entender.

É preciso também identificar – e destruir sistematicamente – cada mentira que contou a si mesma a vida inteira.

Por quê?

Porque é impossível ir a um lugar novo, ou tornar-se algo diferente, sem primeiro identificar onde você está. Quando você analisa o que aprendeu a acreditar sobre si mesma, adquire uma autoconsciência de valor inestimável.

Você já acreditou que não era boa o suficiente? Que não era magra o suficiente? Que não era digna de ser amada? Que era péssima mãe? Já achou que merecia ser maltratada? Que nunca chegaria a lugar nenhum?

Tudo mentira.

Essas são mentiras perpetuadas pela sociedade, pelos meios de comunicação, pela família ou, para ser franca – e aqui entra minha formação religiosa –, pelo próprio diabo. Essas mentiras são perigosas e devastadoras para nossa autoestima e para nossa capacidade de ação. O mais assustador é que raramente ouvimos essas mentiras que inventamos sobre nós mesmas porque elas ecoam em nossos ouvidos tão alto e por tanto tempo que se tornam uma espécie de ruído branco. Somos bombardeadas diariamente por uma narrativa de ódio e nem a percebemos. Reconhecer as mentiras que passamos a aceitar sobre quem somos é o segredo para criarmos uma versão melhor de nós mesmas. Se formos capazes de identificar a principal razão de nossas dificuldades, e ao mesmo tempo entender que temos condições de superá-las, poderemos mudar totalmente nossa trajetória.

É por isso que faço o que faço. É por isso que administro um site e ensino a fazer arranjos para mesa, a ser uma mãe carinhosa e a fortalecer o casamento. É por isso que pesquisei 30 maneiras diferentes de limpar a máquina de lavar louça antes de ensinar o passo a passo à minha comunidade. É por isso que sei a proporção exata de vinagre balsâmico e suco de limão para deixar a carne de panela com um sabor maravilhoso. Eu falo sobre uma série de assuntos em minha plataforma on-line, mas, no fim, tudo se resume a uma coisa: fazer bem tudo aquilo que faz parte da minha vida. As postagens mostram como estou me aprimorando e aprendendo, e minha intenção é que motivem e ajudem outras mulheres a se desenvolverem também. Imagino que, se eu me interessasse por tricô, macramê ou fotografia, teria usado essas atividades para tentar me aprimorar e incentivar minhas amigas, mas essas coisas não me interessam. Tenho mais interesse em atividades ligadas ao estilo de vida, então me dedico à criação de conteúdo que se encaixe nesse universo.

No início da minha carreira, percebi que muitas mulheres viam imagens de estilo de vida postadas na internet como o que elas deviam aspirar a ser. Muitas dessas imagens são irreais, então decidi ser honesta desde o início. Prometi ser autêntica e sincera, e, para cada foto de cupcake maravilhosamente decorado que produzíamos, eu compartilhava minha foto com paralisia facial. Se eu fosse a algum lugar sofisticado como a entrega do Oscar, equilibrava isso com postagens sobre meu esforço para emagrecer e minhas fotos com 20 quilos a mais. Falei sobre tudo isto: problemas no casamento, depressão pós-parto e sentimentos como ciúme, medo, raiva, feiura, inadequação e desamor. Tentei ao máximo ser verdadeira sobre quem eu sou e sobre minhas origens. A postagem mais comentada que já tive foi a foto das estrias em minha barriga murcha.
Ainda assim…

Ainda assim, recebo mensagens. Mulheres de todo o mundo que enfrentam dificuldades ainda me enviam e-mails perguntando como consigo não deixar a vida desmoronar. Dá para sentir o sofrimento delas nesses e-mails. Dá para perceber a vergonha nas palavras que usam para descrever suas dificuldades, e isso me dói.

Então respondo a suas mensagens. Digo a cada uma o quanto são bonitas e fortes. Chamo-as de guerreiras, lutadoras, corajosas. Incentivo-as a não desistir. É o que parece apropriado dizer a um completo estranho, mas não é tudo que eu gostaria de falar. Não é o que eu diria se a pessoa que estivesse sofrendo fosse minha irmã ou minha melhor amiga. Não é o que eu gostaria de dizer ao meu eu mais jovem. Porque com os mais próximos sou solidária e incentivadora… mas me recuso a ficar olhando uma pessoa que eu amo se acomodar.

A verdade é que você é forte, corajosa e lutadora sim… mas, se estou lhe dizendo isso, é porque quero que você veja essas características em si mesma. Tenho vontade de segurar você pelos ombros e dar uma boa chacoalhada. De provocá-la até você ter coragem de se olhar nos olhos e enxergar a resposta por si mesma. Quero gritar até você entender a grande verdade: você está no controle da própria vida. A gente recebe uma única chance de viver e a vida está passando por nós. Pare de se maltratar e não deixe que os outros a maltratem. Portanto, pare de se menosprezar. Pare de comprar coisas que não tem como pagar só para impressionar pessoas de quem nem gosta. Pare de reprimir seus sentimentos em vez de refletir sobre eles. Pare de comprar o amor de seus filhos com comida, brinquedos ou camaradagem porque é mais fácil do que agir como mãe. Pare de abusar do seu corpo e da sua mente. Simplesmente pare! Saia desse caminho que não tem fim. Sua vida deve ser uma jornada de um lugar especial para outro; não um carrossel que a leva várias vezes de volta ao mesmo lugar.

Sua vida não tem que se parecer com a minha. Aliás, sua vida não tem que se parecer com a de ninguém. Ela deve ser o resultado de suas próprias escolhas.

Vai ser difícil? Com certeza! Mas optar pela saída mais fácil é correr o risco de acabar no sofá, com 25 quilos de sobrepeso, enquanto a vida passa ao largo.

A mudança acontecerá da noite para o dia? De jeito nenhum! Esse é um processo para a vida toda. Você vai experimentar técnicas e ferramentas diferentes, algumas parecerão funcionar, uma talvez pareça ser a resposta certa e outras 37 parecerão um lixo. Então você vai acordar no dia seguinte e repetir tudo de novo. E de novo.

E vai fracassar.

Você terá uma recaída. Comerá metade do bolo de aniversário quando ninguém estiver olhando, gritará com seu marido ou beberá demais o mês inteiro. Você vai se entregar à rotina porque a vida é assim e é dessa forma que as coisas funcionam. Mas, assim que entender que é você que está realmente no controle, vai se levantar e tentar de novo. E vai seguir em frente até que a sensação de estar no controle pareça mais natural do que o contrário. Isso vai se tornar um estilo de vida e você será a pessoa que estava destinada a ser.

Cabe perguntar aqui, logo no início, qual é o papel da fé nisso tudo. Como cristã, aprendi que Deus está no controle e que Ele tem um plano para a minha vida. Acredito piamente que isso seja verdade. Acredito que Deus ama cada um de nós incondicionalmente, mas não acho que isso significa que podemos desperdiçar as dádivas e os talentos que ele nos deu simplesmente porque já somos bons o bastante. A lagarta é incrível, mas, se ela não evoluir – se decidir que o bom já basta –, todos perderemos a linda criatura que ela estava destinada a ser.

Você é muito mais do que acredita ser.

É isso que eu quero dizer às mulheres que me escrevem pedindo conselhos. Pode ser difícil de ouvir, mas essa conscientização vem acompanhada por esta doce verdade: você é mais do que acredita ser e tem controle total sobre o que faz com esse conhecimento.

Esse insight me deu uma ideia.

E se eu escrevesse um livro sobre todas as dificuldades que enfrentei e depois explicasse os passos que me ajudaram a superá-las? E se contasse todos os meus fracassos e momentos constrangedores? E se você soubesse que morro de vergonha porque às vezes fico tão irritada que grito com meus filhos? Não é um grito, um berro, uma repreensão ríspida, mas um urro tão alto que fico constrangida só de pensar nele depois. O que você pensaria se soubesse que estou com pelo menos três cáries neste momento porque tenho pavor de dentista? E se eu falasse sobre minha celulite, ou sobre aquela gordurinha no sovaco que aparece quando uso camiseta? Já falei da gordura nas costas? Ou do pelo que cresce numa pinta em meu rosto? Ou das minhas inseguranças? E se eu começasse o livro contando que fiz xixi nas calças já adulta, mulher feita, e que não foi a primeira vez e nem será a última? E se eu dissesse que, apesar das minhas confissões, às vezes engraçadas, às vezes dolorosas, estou em paz comigo mesma? Que amo quem sou mesmo quando faço coisas das quais não me orgulho? E que isso só é possível porque sei que tenho o poder de mudar. Tenho controle sobre a pessoa que me tornarei. Pela graça de Deus, acordarei amanhã e terei outra chance de melhorar esta vida. Pela graça de Deus, por 35 anos tentei de forma tão empenhada fazer determinadas coisas em algumas áreas da vida (como o preparo de pratos à base de queijo) que agora estou arrasando. Em outras áreas (como o controle da ansiedade), estou sempre trabalhando em várias perspectivas diferentes para combater o problema.

Trata-se de uma jornada para a vida inteira, mas me consola saber que todo dia estou aprendendo e crescendo. Isso me deixa em paz comigo mesma.

Quais são as dificuldades que enfrento? Quais são as mentiras sobre mim mesma em que acreditei por tanto tempo?

A lista é longa. Tão longa que decidi dedicar um capítulo a cada uma delas. Cada capítulo deste livro começa com uma mentira em que eu acreditava e, na sequência, vêm as histórias sobre como aquela mentira específica me atrapalhou, magoou e, em alguns casos, me fez magoar outras pessoas. No entanto, ao reconhecer essas mentiras, tirei o poder delas. Compartilharei com você as mudanças que fiz em minha vida para superar as dificuldades – algumas de forma definitiva e outras como uma dança constante entre mim e minhas eternas inseguranças.

Quais são essas inseguranças? Bem, aqui estão as maiores e as piores sem ordem definida. Espero que sirvam como encorajamento e que você considere essas ideias úteis. Acima de tudo, querida amiga, espero que você tenha consciência de que pode se tornar quem e o que quiser ser. Nos dias mais difíceis, você se lembrará que avançar continuamente – seja 1 centímetro ou 1 quilômetro – é o único requisito necessário.

Com amor,

Rach

INTRODUÇÃO

Ei, garota!

Esta é a apresentação do livro, a parte em que confesso todas
as
minhas expectativas em relação à sua leitura. Este é o momento em que descrevo minhas intenções e – se você já estiver pronta para ler – é aí que revelo um pouco mais sobre o que virá. Também é um texto importante para quem está na livraria tentando decidir se deve comprar este livro ou algo como A mágica da arrumação, e as palavras que está lendo agora vão ajudar a decidir. Bem, parece muita expectativa para uma mera apresentação, mas aqui vamos nós.

Este livro é sobre um monte de mentiras nocivas e uma verdade importante.

A verdade? Você, somente você, é responsável por quem se tornará e pelo quanto é feliz. Essa é a lição.

Não me entenda mal. Vou contar centenas de histórias engraçadas, estranhas, constrangedoras, tristes ou malucas, mas cada uma delas busca esta mesma verdade importante e digna de ser publicada no Pinterest: sua vida é responsabilidade sua.

No entanto, essa verdade nunca será plausível se você não entender primeiro as mentiras que estão no seu caminho. É muito importante compreender que você escolhe sua própria felicidade e que tem controle sobre sua vida. Essa é uma daquelas frases que colocamos no quadro de avisos como um lembrete… mas não é a única coisa que você precisa entender.

É preciso também identificar – e destruir sistematicamente – cada mentira que contou a si mesma a vida inteira.

Por quê?

Porque é impossível ir a um lugar novo, ou tornar-se algo diferente, sem primeiro identificar onde você está. Quando você analisa o que aprendeu a acreditar sobre si mesma, adquire uma autoconsciência de valor inestimável.

Você já acreditou que não era boa o suficiente? Que não era magra o suficiente? Que não era digna de ser amada? Que era péssima mãe? Já achou que merecia ser maltratada? Que nunca chegaria a lugar nenhum?

Tudo mentira.

Essas são mentiras perpetuadas pela sociedade, pelos meios de comunicação, pela família ou, para ser franca – e aqui entra minha formação religiosa –, pelo próprio diabo. Essas mentiras são perigosas e devastadoras para nossa autoestima e para nossa capacidade de ação. O mais assustador é que raramente ouvimos essas mentiras que inventamos sobre nós mesmas porque elas ecoam em nossos ouvidos tão alto e por tanto tempo que se tornam uma espécie de ruído branco. Somos bombardeadas diariamente por uma narrativa de ódio e nem a percebemos. Reconhecer as mentiras que passamos a aceitar sobre quem somos é o segredo para criarmos uma versão melhor de nós mesmas. Se formos capazes de identificar a principal razão de nossas dificuldades, e ao mesmo tempo entender que temos condições de superá-las, poderemos mudar totalmente nossa trajetória.

É por isso que faço o que faço. É por isso que administro um site e ensino a fazer arranjos para mesa, a ser uma mãe carinhosa e a fortalecer o casamento. É por isso que pesquisei 30 maneiras diferentes de limpar a máquina de lavar louça antes de ensinar o passo a passo à minha comunidade. É por isso que sei a proporção exata de vinagre balsâmico e suco de limão para deixar a carne de panela com um sabor maravilhoso. Eu falo sobre uma série de assuntos em minha plataforma on-line, mas, no fim, tudo se resume a uma coisa: fazer bem tudo aquilo que faz parte da minha vida. As postagens mostram como estou me aprimorando e aprendendo, e minha intenção é que motivem e ajudem outras mulheres a se desenvolverem também. Imagino que, se eu me interessasse por tricô, macramê ou fotografia, teria usado essas atividades para tentar me aprimorar e incentivar minhas amigas, mas essas coisas não me interessam. Tenho mais interesse em atividades ligadas ao estilo de vida, então me dedico à criação de conteúdo que se encaixe nesse universo.

No início da minha carreira, percebi que muitas mulheres viam imagens de estilo de vida postadas na internet como o que elas deviam aspirar a ser. Muitas dessas imagens são irreais, então decidi ser honesta desde o início. Prometi ser autêntica e sincera, e, para cada foto de cupcake maravilhosamente decorado que produzíamos, eu compartilhava minha foto com paralisia facial. Se eu fosse a algum lugar sofisticado como a entrega do Oscar, equilibrava isso com postagens sobre meu esforço para emagrecer e minhas fotos com 20 quilos a mais. Falei sobre tudo isto: problemas no casamento, depressão pós-parto e sentimentos como ciúme, medo, raiva, feiura, inadequação e desamor. Tentei ao máximo ser verdadeira sobre quem eu sou e sobre minhas origens. A postagem mais comentada que já tive foi a foto das estrias em minha barriga murcha.
Ainda assim…

Ainda assim, recebo mensagens. Mulheres de todo o mundo que enfrentam dificuldades ainda me enviam e-mails perguntando como consigo não deixar a vida desmoronar. Dá para sentir o sofrimento delas nesses e-mails. Dá para perceber a vergonha nas palavras que usam para descrever suas dificuldades, e isso me dói.

Então respondo a suas mensagens. Digo a cada uma o quanto são bonitas e fortes. Chamo-as de guerreiras, lutadoras, corajosas. Incentivo-as a não desistir. É o que parece apropriado dizer a um completo estranho, mas não é tudo que eu gostaria de falar. Não é o que eu diria se a pessoa que estivesse sofrendo fosse minha irmã ou minha melhor amiga. Não é o que eu gostaria de dizer ao meu eu mais jovem. Porque com os mais próximos sou solidária e incentivadora… mas me recuso a ficar olhando uma pessoa que eu amo se acomodar.

A verdade é que você é forte, corajosa e lutadora sim… mas, se estou lhe dizendo isso, é porque quero que você veja essas características em si mesma. Tenho vontade de segurar você pelos ombros e dar uma boa chacoalhada. De provocá-la até você ter coragem de se olhar nos olhos e enxergar a resposta por si mesma. Quero gritar até você entender a grande verdade: você está no controle da própria vida. A gente recebe uma única chance de viver e a vida está passando por nós. Pare de se maltratar e não deixe que os outros a maltratem. Portanto, pare de se menosprezar. Pare de comprar coisas que não tem como pagar só para impressionar pessoas de quem nem gosta. Pare de reprimir seus sentimentos em vez de refletir sobre eles. Pare de comprar o amor de seus filhos com comida, brinquedos ou camaradagem porque é mais fácil do que agir como mãe. Pare de abusar do seu corpo e da sua mente. Simplesmente pare! Saia desse caminho que não tem fim. Sua vida deve ser uma jornada de um lugar especial para outro; não um carrossel que a leva várias vezes de volta ao mesmo lugar.

Sua vida não tem que se parecer com a minha. Aliás, sua vida não tem que se parecer com a de ninguém. Ela deve ser o resultado de suas próprias escolhas.

Vai ser difícil? Com certeza! Mas optar pela saída mais fácil é correr o risco de acabar no sofá, com 25 quilos de sobrepeso, enquanto a vida passa ao largo.

A mudança acontecerá da noite para o dia? De jeito nenhum! Esse é um processo para a vida toda. Você vai experimentar técnicas e ferramentas diferentes, algumas parecerão funcionar, uma talvez pareça ser a resposta certa e outras 37 parecerão um lixo. Então você vai acordar no dia seguinte e repetir tudo de novo. E de novo.

E vai fracassar.

Você terá uma recaída. Comerá metade do bolo de aniversário quando ninguém estiver olhando, gritará com seu marido ou beberá demais o mês inteiro. Você vai se entregar à rotina porque a vida é assim e é dessa forma que as coisas funcionam. Mas, assim que entender que é você que está realmente no controle, vai se levantar e tentar de novo. E vai seguir em frente até que a sensação de estar no controle pareça mais natural do que o contrário. Isso vai se tornar um estilo de vida e você será a pessoa que estava destinada a ser.

Cabe perguntar aqui, logo no início, qual é o papel da fé nisso tudo. Como cristã, aprendi que Deus está no controle e que Ele tem um plano para a minha vida. Acredito piamente que isso seja verdade. Acredito que Deus ama cada um de nós incondicionalmente, mas não acho que isso significa que podemos desperdiçar as dádivas e os talentos que ele nos deu simplesmente porque já somos bons o bastante. A lagarta é incrível, mas, se ela não evoluir – se decidir que o bom já basta –, todos perderemos a linda criatura que ela estava destinada a ser.

Você é muito mais do que acredita ser.

É isso que eu quero dizer às mulheres que me escrevem pedindo conselhos. Pode ser difícil de ouvir, mas essa conscientização vem acompanhada por esta doce verdade: você é mais do que acredita ser e tem controle total sobre o que faz com esse conhecimento.

Esse insight me deu uma ideia.

E se eu escrevesse um livro sobre todas as dificuldades que enfrentei e depois explicasse os passos que me ajudaram a superá-las? E se contasse todos os meus fracassos e momentos constrangedores? E se você soubesse que morro de vergonha porque às vezes fico tão irritada que grito com meus filhos? Não é um grito, um berro, uma repreensão ríspida, mas um urro tão alto que fico constrangida só de pensar nele depois. O que você pensaria se soubesse que estou com pelo menos três cáries neste momento porque tenho pavor de dentista? E se eu falasse sobre minha celulite, ou sobre aquela gordurinha no sovaco que aparece quando uso camiseta? Já falei da gordura nas costas? Ou do pelo que cresce numa pinta em meu rosto? Ou das minhas inseguranças? E se eu começasse o livro contando que fiz xixi nas calças já adulta, mulher feita, e que não foi a primeira vez e nem será a última? E se eu dissesse que, apesar das minhas confissões, às vezes engraçadas, às vezes dolorosas, estou em paz comigo mesma? Que amo quem sou mesmo quando faço coisas das quais não me orgulho? E que isso só é possível porque sei que tenho o poder de mudar. Tenho controle sobre a pessoa que me tornarei. Pela graça de Deus, acordarei amanhã e terei outra chance de melhorar esta vida. Pela graça de Deus, por 35 anos tentei de forma tão empenhada fazer determinadas coisas em algumas áreas da vida (como o preparo de pratos à base de queijo) que agora estou arrasando. Em outras áreas (como o controle da ansiedade), estou sempre trabalhando em várias perspectivas diferentes para combater o problema.

Trata-se de uma jornada para a vida inteira, mas me consola saber que todo dia estou aprendendo e crescendo. Isso me deixa em paz comigo mesma.

Quais são as dificuldades que enfrento? Quais são as mentiras sobre mim mesma em que acreditei por tanto tempo?

A lista é longa. Tão longa que decidi dedicar um capítulo a cada uma delas. Cada capítulo deste livro começa com uma mentira em que eu acreditava e, na sequência, vêm as histórias sobre como aquela mentira específica me atrapalhou, magoou e, em alguns casos, me fez magoar outras pessoas. No entanto, ao reconhecer essas mentiras, tirei o poder delas. Compartilharei com você as mudanças que fiz em minha vida para superar as dificuldades – algumas de forma definitiva e outras como uma dança constante entre mim e minhas eternas inseguranças.

Quais são essas inseguranças? Bem, aqui estão as maiores e as piores sem ordem definida. Espero que sirvam como encorajamento e que você considere essas ideias úteis. Acima de tudo, querida amiga, espero que você tenha consciência de que pode se tornar quem e o que quiser ser. Nos dias mais difíceis, você se lembrará que avançar continuamente – seja 1 centímetro ou 1 quilômetro – é o único requisito necessário.

Com amor,

Rach

LEIA MAIS

Rachel Hollis

Sobre o autor

Rachel Hollis

Escritora, personalidade de TV, palestrante motivacional e influenciadora digital. Criadora do The Chic Site e da The Hollis Company, plataformas sobre estilo de vida, comportamento e empoderamento feminino, foi nomeada pela Inc. Magazine uma das “30 empresárias mais importantes com menos de 30 anos”. Garota, pare de mentir para você mesma ocupou o primeiro lugar na lista de mais vendidos do The New York Times por 12 semanas e permaneceu entre os 10 mais por sete meses consecutivos. Foi o segundo livro mais popular de 2018 na Amazon.com. Rachel mora com o marido e os filhos em Austin, Texas.

VER PERFIL COMPLETO

Novidades no Blog

As mentiras que as mulheres contam sobre si e a importância de assumir as responsabilidades
COMPORTAMENTO

As mentiras que as mulheres contam sobre si e a importância de assumir as responsabilidades

No livro “Garota, pare de mentir para você mesma”, Rachel Hollis elenca as principais mentiras do universo feminino, da maternidade ao sexo: “Somente você é responsável pelo quanto é feliz”.

LER MAIS